AEPortugal

Associação Empresarial de Portugal

Segunda-feira, 10 de Dezembro de 2018.Visitante

Login Pedido de Informação Imprimir

 

 

AEPortugal

Informação Económica

Formação

 

AEP Projetos

 

Feiras

Internacionalização

Enterprise Europe Network

Qualidade

Ambiente e Energia

S S T

Sistemas de Incentivos

Jurídico

AEPortugal

AEP

Apresentação

Breve Historial

Estatutos

Orgãos Sociais 2017 - 2020

Organograma

CSA  -  Conselho Superior
 Associativo

Inscrição em Eventos

Biblioteca AEP On-line

Newsletters AEP

Subscrever Newsletters AEP

Publicações AEP

Recursos Humanos

AEPortugal

SÓCIOS

Admissão

Actualização de Dados

548.000 Maiores Empresas

Económico Digital

CONTACTOS

AEPortugal

FUNDAÇÃO AEP

APCER

CESAE
Católica Porto Business  School
Exponor
Exponor - Brasil
Formação PME
IDIT
Parque - Invest
 
 

 

 

   

 

     Logo facebook

 

 

A E Portugal : notícias
 

notícias - informação económica

Publicação Trimestral

 

Análise de Conjuntura, 1º trimestre de 2018


Nesta Envolvente Empresarial – Análise de Conjuntura realçamos:

A NÍVEL NACIONAL:
- Melhoria do Indicador de Clima em março de 2018 aponta para alguma retoma da dinâmica da atividade nos próximos meses, após um final de 2017 e início de 2018 com menor fulgor, confirmado pela redução do crescimento do PIB para 2.1% no 1º Trimestre (o valor mais baixo desde o 3º Trimestre de 2016 e o 15º pior entre os 20 países da UE28 com informação);
- Em termos de projeções de crescimento, aponta-se para uma perda clara de dinamismo nos próximos anos: o FMI tem o maior valor para 2018 (2.4%, face a 2.3% nos números de Governo e Banco de Portugal, BdP), enquanto o Governo é o mais otimista para os anos seguintes (2.3% em 2019-2020, 2.2% em 2021 e 2.1% em 2022). O BdP justifica o abrandamento económico com o menor dinamismo da procura externa e constrangimentos estruturais;
- O movimento de criação líquida de empresas prossegue no início de 2018;
- Descida da taxa de desemprego, atingido o mínimo desde 2008, para o que contribuiu a significativa subida do emprego;
- Recuo da yield soberana a 10 anos para 1.79% em março, um mínimo de oito anos (a refletir o prolongamento da política expansionista do BCE);
- Sociedades não financeiras com a maior queda do stock de crédito no final de 2017, que se prolongou até final de fevereiro, em contraste com a subida nas Administrações Públicas, que permitiu um melhoria ligeira no total do stock de crédito interno;
- Redução ligeira da capacidade de financiamento da economia, face à descida do saldo da balança corrente e de capital de 1.6% para 1.4% do PIB em 2017;
- Programa de Estabilidade do Governo prevê dívida pública a cair até 102% do PIB em 2022 (após descida para 125.7% no final de 2017) e excedentes orçamentais a partir de 2020, partindo de um défice de 3.0% em 2017 (0.9% excluindo a recapitalização da CGD);
- Portugal deixa de ter um desequilíbrio macroeconómico excessivo na análise da Comissão Europeia, mas ainda necessita de esforços adicionais;
- Publicada a Estratégia de inovação tecnológica e empresarial 2018-2030, com metas (em rácio no PIB) de 3% para a despesa I&D de 3% do PIB até 2030 (2/3 privada) e de 50% para as exportações.
- Conclusão até julho da reprogramação dos fundos comunitários.

A NÍVEL INTERNACIONAL:
- OCDE revê em alta as projeções de crescimento mundial (para 3.9% em 2018 e 2019), a refletir, em parte, os estímulos fiscais nos EUA;
- BCE prolonga a política monetária expansionista à espera de uma retoma mais sustentada da inflação, após algum abrandamento na Área Euro;
- Fed sobe a principal taxa de juro diretora para máximo de quase uma década após melhoria das previsões económicas;
- UE pede isenção permanente do aumento de tarifas da Administração Trump às importações de alumínio e aço dos EUA (apenas suspenso) e estuda medidas de salvaguarda compatíveis com as regras da OMC;
- Cotação do brent sobe 8.9% no 1º trimestre de 2018 ante a perspetiva de prolongamento da contenção da oferta pela OPEP.




A E Portugal : Informação de Rodapé

Design por: www.designarte.pt

Desenvolvido por CESAE: www.cesae.pt

Webmaster: dti@mail.cesae.pt