AEPortugal

Associação Empresarial de Portugal

Sexta-feira, 19 de Setembro de 2014.Visitante

Login Pedido de Informação Imprimir

 

 

AEPortugal

Informação Económica

Formação

 

Feiras

Internacionalização

Qualidade

Ambiente e Energia

S S T

Sistemas de Incentivos

Jurídico

AEPortugal

AEP

Apresentação

Breve Historial

Orgãos Sociais 2014-2017

Organograma

Estatutos

CSA  -  Conselho Superior
 Associativo

Intervenções Institucionais

Inscrição em Eventos

Biblioteca AEP On-line

Newsletters AEP

Subscrever Newsletters AEP

Publicações AEP

Recursos Humanos

AEPortugal

SÓCIOS

Admissão

AEP Options

Actualização de Dados

548.000 Maiores Empresas

Económico Digital

CONTACTOS

AEPortugal

FUNDAÇÃO AEP

APCER

CESAE
Católica Porto Business   School
Europarque
Exponor
Exponor - Brasil
Formação PME
IDIT
Parque - Invest
Visionarium
 
 

 

 

   

 

     Logo facebook

 

 

A E Portugal : notícias
 

notícias - informação económica

2011: ano de ajustamento

 

A OCDE e a Comissão Europeia apenas divergem no que diz respeito à profundidade do processo de ajustamento por que passará a economia portuguesa e aos seus custos, em termos do bem-estar económico dos portugueses.


Mais relevante do que saber qual será a evolução do PIB no próximo ano, será analisar a forma como se irá processar essa evolução. Centremo-nos apenas nas últimas previsões da OCDE e da Comissão Europeia, que apontam para quedas do PIB de 0,2% e 1%, respectivamente.

A disparidade entre estes valores é explicada, fundamentalmente, pela diferença relativa ao comportamento do consumo privado: a OCDE prevê um decréscimo de 0,7%, a Comissão Europeia antevê uma queda de 2,8%, magnitude apenas comparável com a dos valores registados em 1978 e 1984, sob o efeito dos planos de estabilização do FMI. Esta diferença na evolução do consumo repercute-se fortemente nas importações (a Comissão prevê uma queda de 3,2%, a OCDE aponta para um crescimento nulo).

Há, contudo, coincidência entre as duas instituições em diversos aspectos: em qualquer dos cenários, o consumo perderá peso no produto, pela primeira vez desde 2001. A economia passará por uma forte redução da procura interna, parcialmente compensada pelo bom comportamento das exportações, que alcançarão ganhos significativos das suas quotas de mercado. A procura externa líquida terá, por isso, um forte contributo positivo para a evolução do produto.

Tal significa, na óptica da oferta, que terá início um processo de ajustamento em que os sectores produtores de bens e serviços transaccionáveis recuperarão o peso na economia que têm vindo a perder nos últimos 15 anos.

OCDE e Comissão Europeia apenas divergem no que diz respeito à profundidade deste processo e aos seus custos, em termos de perda de bem-estar económico dos portugueses. E se a OCDE parece mais optimista quanto a este último efeito, cabe perguntar se os parcos resultados que apresenta para o reequilibro da balança de pagamentos (1,5 pontos percentuais em 2011 e 0,8 em 2012, contra 2,7 e 1,3, respectivamente, nos cálculos da Comissão Europeia) serão suficientes para recolocar a economia portuguesa na rota do crescimento sustentado.


Gabinete de Estudos da AEP


A E Portugal : Informação de Rodapé

Design por: www.designarte.pt

Desenvolvido por CESAE: www.cesae.pt

Webmaster: dti@mail.cesae.pt